BRASÃO

Escudo de prata com um cacho de uvas de púrpura, folhado de verde, entre dois pinheiros arrancados de sua cor, frutados de ouro; em chefe, flor-de-lis de verde e, em ponta, duas burelas ondeadas de azul. Coroa mural de prata de três torres. Listel branco com a legenda a negro, em maiúsculas : “ CARANGUEJEIRA “.

LENDA

OS OLHOS DE ÁGUA DA CARANGUEJEIRA

Era uma vez … andava um lavrador agarrado à rabiça do seu arado lavrando a terra que lhe havia de dar o pão. Ele era um bom homem, trabalhador, honrado e muito temente a Deus. Dia de sol tórrido que tudo abrasava e secava a língua das gentes e dos animais.

Os bois, puxando o arado numa andadura pachorrenta, estavam sedentos pois a lavra já se prolongava por várias horas. Para os dessedentar o lavrador, sequioso também, levou os bois a um charco que lá havia perto e já com pouca água, por a nascente haver secado.

Tanta era a sede e a pressa de a mitigar que o lavrador não desaparelhou o gado, e os bois na impaciência da sua secura, avançaram mais e mais, pelo charco até que, às tantas, perdendo o pé, começaram a desaparecer nas areias movediças.

O bom lavrador, impotente na sua infelicidade, nada podendo fazer para valer aos seus bois, que eram a sua riqueza, implorou a graça divina.

Mas tudo foi em vão. Os bois e o arado desapareceram sem deixar rasto.

Mais empobrecido de bens, mas mais rico de coragem, o lavrador empunha a enxada e com ela revolve a terra que já não pode arar.

Porém, alguns dias depois, não muitos, com extrema surpresa do lavrador, os bois, ainda aparelhados no seu arado, emergem de um outro charco, também de pouca água e não muito distante daquele.

Na sua passagem pelo interior da terra os bois desentupiram as nascentes dos dois charcos que, a partir daí, se transformaram em “Dois Olhos de Água”.

O povo da terra deu a um o nome de “Olho do Vale Sobreiro” e ao outro “Olho da Fonte”. E os charcos nunca mais secaram.