BRASÃO

Escudo verde com um círculo de prata carregado de uma cruz da “Ordem dos Templários”, em vermelho e dois cortiços de ouro, realçados de negro. Em campanha, ponte de sete arcos de prata, lavrada de negro, movente dos flancos e de um pé ondeado de prata e azul de três tiras. Coroa mural de prata de três torres; Listel branco, com a legenda a negro: “COLMEIAS – LEIRIA”

A esta freguesia está agregada Memória, para a qual não se encontra brasão.

LENDA

Embora estejamos perante uma lenda, a história terá acontecido, concretamente, em 14 de outubro do ano da Graça de Nosso Senhor Jesus Cristo de 1605. Também se específica que o acontecimento teve lugar para as bandas da aldeia de São Silvestre que integra a freguesia de Colmeias.  

Por lá habitava um velhinho, de seu nome, Henrique Dias que vivia com a sua filha, uma rapariga casadoira mas que se sentia muito doente. De quando em vez começava a rebolar-se no chão com imensas dores. Num dia, em que o sol já havia despertado, teve um novo ataque que a obrigou a estrebuchar longamente e, como dizia o povo, parecia que tinha o diabo no corpo.

O idoso pai e alguns vizinhos, condoídos com a triste sorte da moça, que estava deveras dorida e lacrimosa, resolveram levá-la à igreja para que a Nossa Senhora da Pena lhe valesse (esta Nossa Senhora é referida por alguns, como Nossa Senhora do Ó ou Nossa Senhora das Dores).   

Por coincidência, era a hora da Santa Missa, daí a igreja se encontrar repleta de fiéis. A moça foi, então, levada até próximo do altar de forma a poder olhar para a imagem de Nossa Senhora; rapidamente teve uma oura e esteve prestes a desmaiar, mas nesse instante teve um vómito violento e expeliu pela boca uma moeda de prata, de um vintém.

De pronto a rapariga se endireitou, sentindo-se curada; logo começou a orar a Nossa Senhora com uma devoção que até então nunca tivera. 

Igreja de Colmeias